sexta-feira, 12 de abril de 2013

MINHA MODESTA ANÁLISE SOBRE AS ELEIÇÕES DA CGADB



MINHA MODESTA ANÁLISE SOBRE AS ELEIÇÕES DA CGADB 
Por Pr.Eliel Toledo de Chaves

Analisando as eleições da CGADB, faço alguma análise quanto aos resultados deste pleito interno de nossa Assembleia de Deus, a maior denominação evangélica do Brasil, presente em praticamente todo o Brasil e no exterior, pregando a Palavra de Deus, enfatizando que Jesus Cristo salva, cura, batiza com o Espírito Santo e em breve voltará.

A Assembleia de Deus é a igreja que praticamente nasci; nela tive minhas experiências com Deus e, mesmo não sendo perfeita, não me vejo servindo a Deus em outro lugar. Na AD meu pai e meu sogro são pastores e meu avô, assim como os avôs de minha esposa também foram pastores.

Pois bem, como pastor e diante do término desta que foi a maior Convenção Geral que a Assembleia de Deus já teve, gostaria de registrar algumas considerações a respeito dos números divulgados. Peço perdão aos leitores pois minha análise é amadora, pois fui ordenado pastor a menos de seis meses, e admiro os 2 líderes de cada chapa, cada um com suas qualidades distintas. Confesso que me chama a atenção a forma como foi conduzido as campanhas, principalmente a participação da justiça secular em casos que podemos julgar com moderação e sabedoria, se os convencionais ouvissem o conselho do apóstolo Paulo.


1º Análise: J.W. com forças nas 5 regiões
Pr. José Wellington se elegeu e conseguiu eleger todos os 5 vices e 4 secretários das 5 regiões, uma maioria incontestável de lideranças no Brasil, porém, sua liderança perdeu forças na região Sudeste, onde a chapa encabeçada pelo Pr. Câmara elegeu um secretário e os 2 tesoureiros.

2ª Análise: Recado na área Financeira
Se por um lado o Pr. José Wellington mostrou a sua força na área de liderança nacional, sendo o preferido de quase 55% dos convencionais; os pastores enviaram um recado quanto a área financeira. Qual será? Não sei responder, talvez transparência? Tanto que a grande maioria que elegeu os candidatos da situação, elegeu também os tesoureiros e todos os 5 componentes do conselho fiscal da chapa encabeçada pelo Pr. Samuel Câmara, da oposição. 

3ª Análise:  Por chapa
Total de cargos disputados: 18
Chapa Amigos do Presidente(situação):  10 eleitos           56%
Chapa CGADB para todos (oposição):  8 eleitos             44%

4ª Análise:  Forte liderança do Pr. Gilberto Marques, do Pará.
Caracterizada a forte Liderança regional e aceitação nacional do Pr. Gilberto Marques de Souza, do Pará, que conquistou a vice-presidência da Região Norte, eleito com a segunda maior diferença de votos, 3.135, sendo que valoriza ainda mais a sua conquista por ser o pastor presidente da convenção paraense, cuja capital é liderado pelo Pr. Samuel Câmara, da chapa opositora e que  separou-se criando uma convenção própria, Convenção da Igreja-mãe.

5ª Análise: Influência por Região do Brasil
Vou usar aqui um critério, representando cada chapa com o nome de seus candidatos a presidente e levando em consideração que dentro de cada regiãos, quais chapas conseguiram eleger "mais" representantes.  
Região Sul: ..........Pr. José Wellington
Região Sudeste: .. Pr.Samuel Câmara
Região C-Oeste: . Pr. José Wellington
Região Nordeste:  Pr.José Wellington
Região Norte: ......Pr.José Wellington

Ambos os candidatos sofreram grande desgaste nas regiões onde presidem as igrejas as quais pertencem, Norte e Sudeste.

Nenhuma chapa conseguiu eleger todos os representantes de suas regiões. Quem quase conseguiu isto foi a Chapa CGADB para todos na Região Sudeste, levando em conta, é claro, que o sudeste disputou o maior numero de cargos, 6 (seis); diferentemente das outras regiões que aconteceram vitórias de 2x1 (2 eleitos de uma chapa contra 1 da outra), na região sudeste houve um 4x2. A chapa Amigos do Presidente elegeu 2 mas o de maior importância, a Presidência da CGADB. 

6ª  e última análise: O meu Rio Grande do Sul
Mais uma vez foi consolidada a liderança do Pr. Ubiratan Batista Job (foto D), e com méritos, pois nos 3 estados do sul, a meses atrás em suas novas gestões, apenas o RS elegeu seu presidente por aclamação, mostrando um espírito de unidade muito forte. Digo isto pois acompanhamos nos outros 2 estados uma disputa interna, é claro que democrática e legal, mas que num ano de eleição nacional, traria desgastes e despesas que foram evitadas no RS, deixando de lado certas posições para o bem comum de nossos convencionais. Isto foi reconhecido nacionalmente com a eleição do Pr. Ubiratan para 1º Vice-Presidente da CGADB.


Puxando um pouco mais para o meu assado (risos), a CIEPADERGS saiu fortalecida nesta eleição pois seus 2 candidatos foram eleitos:
1º Vice-presidente (Região Sul)
1) UBIRATAN BATISTA JOB (RS)
Conselho Fiscal:Sul
1) JERÔNIMO DOS SANTOS (RS)

Além deles, a região Sul elegeu o Pr. Perci Fontoura, do Paraná, como 1º Secretário. Pr. Perci nasceu no Rio Grande do Sul, portanto, também é gaúcho, tchê!!

Quando falo que a Ciepadergs saiu fortalecida, não me refiro diante dos outros estados e sim , diante dela mesmo. Claro que minha visão ainda é pequena para compreender todo este universo eclesiástico.  


Conclusão

Para finalizar, quero aqui registrar que oramos muito por esta Assembleia Geral e pela nossa Assembleia de Deus, que não é nossa, é de Deus. Continuaremos orando, para que Deus abençoe seus servos, homens separados por Deus para este grande ministério e, para que os princípios bíblicos sejam as bases das decisões que serão tomadas, não só em tempos de eleições, mas em todo o tempo.  

Deus seja louvado.   





Um comentário:

Daniel Fich disse...

Concordo com sua análise Pr Eliel.